As cotas universitárias para estudantes com deficiência incluem?

Cadeirante de costas com a mochila pendurada na cadeira

Em vigor há um pouco mais de um ano, as cotas para estudantes com deficiência ingressarem nas universidades federais ainda são uma incógnita como o estímulo ao ensino superior. É o que apontam os dados do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

Exemplos disso estão em Pernambuco. A quantidade de candidatos nas instituições públicas do estado é bem menor do que o número de vagas oferecidas. Apenas 80 pessoas procuraram as 655 oportunidades determinadas pela nova legislação, que foi aplicada pela primeira vez neste ano.

Diante dessa situação, cabe a pergunta: será que apenas as cotas são suficientes para a inclusão no ensino superior? Antes de chegar a essa fase da vida, é necessário cumprir as outras etapas da educação formal.

Apesar de já antigos, os dados do Censo do IBGE de 2010 mostram que poucas pessoas com deficiência chegam ao ensino superior, independentemente se público ou particular.  Apenas 6,7% das pessoas com deficiência diziam ter uma faculdade. No ensino médio, o índice também é baixo, 17,7% da população com deficiência se declararam com esse grau de instrução.

Obrigatórios, os ensinos fundamental e médio também derrapam nas condições de aprendizagem dos alunos com deficiência. Isso vale para infraestrutura e capacitação de professores para atender a este público. Desta forma, diminuem-se as chances dos alunos com deficiência se prepararem para um vestibular ou o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

As cotas para candidatos com deficiência são um instrumento importante de inclusão universitária. Entretanto, a falta de preparação nos níveis inferiores habilita menos pessoas para as próximas etapas.

Um outro fator que precisa ser observado é que o ingresso em uma universidade pública ou privada não garante a permanência do aluno com deficiência durante todo o curso superior. Ela fica na maior parte das vezes condicionada a acessibilidade oferecida para as aulas e atividades complementares. A falta disso desmotiva a participação.

2 comentários sobre “As cotas universitárias para estudantes com deficiência incluem?

  1. Olá, Daniel.
    Tenho muito prazer em ver a sua competência profissional e a determinação de sempre para vencer desafios e contribuir na reflexão da sociedade, sobretudo, para ser uma voz autorizada e legítima de tantas pessoas que não podem fazê-lo. Desejo-lhe muito sucesso nas suas reflexões sobre rodas.
    Um abraço.
    Pe. Rogério Augusto

Deixe um comentário