Adesivo de cadeirante ainda é sucesso em carros?

O símbolo mudou e o cartão de estacionamento também. Mas aquele adesivo azul com o ícone de uma cadeira de rodas em branco continua a ser bastante usado por pessoas com deficiência no vidro dos carros.

Apesar de irregular desde dezembro de 2008, quando o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou o uso de um cartão individual de estacionamento para pessoas com deficiência, o “adesivo com a cadeirinha”, ainda é a principal identidade para um carro que locomove alguém com problemas de mobilidade.

Para os que defendem o uso, mesmo que apenas simbólico, o principal argumento é que é mais compreensível para a maioria das pessoas de maneira geral. De acordo com uma participante do grupo “Cadeirantes – Uma mão lava a outra – Tamojunto”, no Facebook, o adesivo transmite mais segurança.

Entretanto, muitas pessoas alertaram que o efeito pode ser o contrário. Poderia avisar alguém mal-intencionado que o carro teria um motorista ou passageiro com vulnerabilidade para se defender, em caso de uma tentativa de roubo.

Dá para perceber que essa discussão vai longe, pois não é uma regra de “pode ou não pode”. O símbolo azul é internacionalmente conhecido e foi utilizado de maneira ostensiva para indicar acessibilidade em diversos casos. Entretanto, a Organização das Nações Unidas passou a adotar um novo ícone para indicar acessibilidade universal, como o blog escreveu em setembro de 2017.

É certo que o que garante mesmo o direito das vagas exclusivas é o uso correto do cartão de estacionamento, no painel frontal do carro que carrega a pessoa com deficiência. O documento é emitido pelo órgão de trânsito de cada cidade.

Vale lembrar que, desde 2017, muitos municípios estão se adequando à regra que os autoriza a multa de carros irregulares em estacionamentos particulares. Essa possibilidade surgiu com o objetivo de atender a uma determinação da Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência, criada em 2015. Até então, a multa poderia ser cobrada apenas em vagas em vias públicas.

Deixe um comentário