Dia Mundial da Paralisia Cerebral

Um jovem com Paralisia Cerebral. Ele está em uma cadeira de rodas motorizada, de blusa roxa, de óculos e sorriDentre as deficiências, a paralisia cerebral (PC) ainda gera dúvidas em muitas pessoas. Pois a sequela principal é a dificuldade motora, seja para se locomover, se comunicar ou se expressar de maneira ágil.

Em busca de desmistificar as dúvidas em relação a ela, além de incentivar a pesquisa sobre o assunto, foi criado o Dia Mundial da Paralisia Cerebral, celebrado na primeira quarta-feira de outubro. Por isso, decidi escrever este post.

Por interferir no desenvolvimento motor e de fala em vários casos, a compreensão que a maioria das pessoas tem sobre a paralisia cerebral é equivocada. Dependendo de como forem tratadas desde o começo e do grau de comprometimento, as sequelas podem ser reduzidas. Entretanto, elas não têm cura total.

É importante deixar claro que não é uma doença. Algumas pessoas apresentam déficit cognitivo associado ao quadro motor, mas o que define a paralisia cerebral é uma disfunção motora.

Quando alguém que não conhece vai interagir com elas, pode até sentir uma dificuldade de se comunicar de forma mais convencional. Todos podem ter uma maneira própria de se expressar, que será compreendida com o tempo.

Uma das confusões mais comuns de acontecer é achar que todo PC é cadeirante e vice-versa. Eu tenho paralisia cerebral por conta de um erro médico aos três meses de idade, mesmo assim, eu seria cadeirante. Nasci com uma má formação na coluna. Cada caso é um caso.

Ainda sobre o relacionamento, é muito comum ver, apesar de toda uma evolução do movimento das pessoas com deficiência, a infantilização de quem tem paralisia cerebral. Nem sempre, mesmo nos casos aparentemente mais graves, o cognitivo é a afetado. Assim, a compreensão do que está a sua volta é total.

Para conhecer mais sobre a paralisia cerebral, acesse: http://paralisiacerebral.org.br/saibamais05.php

Deixe um comentário