Você sabe o que é avaliação biopsicossocial?

Conheça a avaliação biopsicossocial
Conheça a avaliação biopsicossocial

Na segunda-feira, 24, o Reflexão Sobre Rodas contou que um dos requisitos propostos na reforma da previdência para conceder o BPC e aposentadoria por incapacidade de trabalho seria por meio da avaliação biopsicossocial da pessoa com deficiência.

Mas você já tinha ouvido falar sobre esse tipo de avaliação de nome complicado? Sabe o que significa? Ela é muito presente na Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e na Lei Brasileira da Inclusão.

De acordo com a legislação nacional, a avaliação deve ser aplicada toda vez que haja a necessidade de verificar as condições físicas e sociais da pessoa com deficiência e deve ser realizada por uma equipe multiprofissional e disciplinar, que analisa conforme a área de atuação.

Tendo como base científica a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF), a avaliação biopsicossocial é a forma mais completa de se verificar a melhor forma de participação de um ser humano com deficiência na sociedade.

Aspectos considerados na avaliação biopsicossocial

  • Impedimentos nas funções e na estrutura do corpo (possibilidades físicas),
  • Fatores socioambientais (onde e como vive),
  • Aspectos psicológicos e pessoais (desejos próprios)
  • Limitação no desempenho de atividades
  • Restrição de participação, como a acessibilidade.

Anna Paula Feminella e Laís de Figueirêdo Lopes afirmam, na obra Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência Comentada, que essa concepção está baseada no modelo social dos direitos humanos.

Para elas, o ambiente tem influência direta na Liberdade da pessoa com limitação funcional. Isso pode se agravar por conta do seu entorno e não em razão da deficiência propriamente. Segundo as autoras, modelo social propõe uma conceituação mais justa e adequada para que as pessoas com deficiência sejam ativos em suas decisões.

Com base nesse conceito, é possível dizer que a falta de acessibilidade arquitetônica e de transporte, de apoio educacional especializado, além de pouco acesso à saúde e mercado de trabalho são apenas alguns dos fatores que provocam as limitações da pessoa com deficiência na sociedade.

Uma calçada mal feita, conservada, sem rampas e sinalização adequadas impede a autonomia na chegada a um ponto de ônibus ou qualquer outro meio de transporte ou vias.

Assim, também impossibilita frequentar uma escola. Por suas vez, se ela não tiver acessibilidade arquitetônica e educacional no mesmo ambiente dos demais alunos cria uma barreira de aprendizagem e convívio.

Tudo isso pode atrapalhar o ingresso no mercado de trabalho, que se não oferecer oportunidades compatíveis com a   qualificação profissional e condições razoáveis para atividades funcionais, prejudicam economicamente a pessoa com deficiência. O que traz impacto nos direitos de ter filhos ou formar uma família, como todo mundo.

Obviamente que existem inúmeros outros aspectos, como o esporte, o lazer e a comunicação, que se também não oferecerem formas de acesso causam imenso impacto negativo à pessoa com deficiência.

Deixe um comentário