E a gente aprende

Favor não usar a deficiência para tirar dinheiro dos outros
Favor não usar a deficiência para tirar dinheiro dos outros

Nasci com deficiência, por isso, cresci aprendendo com minhas limitações físicas. Sempre procurei lidar bem com elas, embora, eu precise admitir que não seja uma tarefa fácil. Meus pais me ensinaram a não usar a deficiência para conseguir o que eu queria. Tanto que demorou um bom tempo para eu me convencer a prestar concursos e usufruir da Lei de Cotas, por exemplo. Sempre quis as coisas por mim mesmo.

Entretanto, aprendi também que este meu conceito não era exatamente o que todo mundo pensava. Inclusive em momentos cotidianos em que as pessoas colocavam “em xeque” as minhas capacidades corriqueiras.

Uma dessas vezes aconteceu há uns dez anos, em uma festa de roça e que me marcou muito.

Eu estava andando com meu pai no meio da festa, quando, de repente, um senhor me ofereceu algumas moedas. Eu não notei que eu segurava um boné, onde ele queria colocá-las. Minha reação imediata foi recusá-las, agradecendo e dizendo que eu não precisava delas. O homem ainda insistiu por um tempo, até que consegui escapar dele com a desculpa que precisava ir embora.

Os dias se passaram e a minha indignação também. Comecei a pensar porque aquele homem teve aquela atitude. Imagino que ele fosse acostumado a dar dinheiro a quem lhe pedisse, principalmente se estivesse em uma cadeira de rodas. Era a cultura dele, ele com certeza aprendeu com seus pais e assim passou adiante e não apenas naquele momento.

Naquele dia, aprendi muito com a simplicidade daquele senhor, a respeitar a cultura e a forma de ver o mundo que ele possuía. Não que eu passei a achar aquilo certo, mas sim que há diferentes formas da sociedade a cada tempo conviver com a deficiência. Não adiantava eu querer fazê-lo mudar de opinião, eu não ia mudar o que ele levou uma vida inteira para aprender.

Por isso, se há dificuldade de aprender ou concordar com uma situação nova, apenas respeite, pois já é um bom caminho.

Artigo publicado originalmente no portal de notícias Meon.

Deixe um comentário