Chega de super-herói

Quando eu era criança, eu gostava de assistir a seriados de TV de super-heróis, como o Power Ranges, o Superman. Eu sempre gostava de imaginar que eu era um desses heróis e ia lá combater o mal. Mas depois que eu cresci, minha vontade de ser super-herói acabou. Só que de uns tempos pra cá, vejo uma onda que distorce um pouco a realidade.

É muito comum ouvir, principalmente quando algum fato ganha grande repercussão, que as pessoas com deficiência são heróis e exemplos de superação. Pensando, heróis mesmo são as pessoas que recebem o salário mínimo e conseguem fazê-lo durar por 30 dias para sustentar uma família.

Quando falamos em inclusão, não queremos dizer que somos melhores ou piores do que outros, muito pelo contrario, queremos ter apenas os mesmos direitos e deveres que as outras pessoas têm.

Não estou negando aqui que o fato de se sobreviver a um acidente, assalto ou problemas de saúde seja uma vitória, mas que sejamos apenas reconhecidos por isso, e sim pelo nosso profissionalismo, pelas atitudes boas que tomamos no nosso dia-a-dia.

Meses atrás, ouvi no rádio que um cadeirante, chefe de uma quadrilha em São Paulo, tinha sido preso, então brinquei no Twitter que “isso sim era inclusão de deficientes em todos os setores”, mas é verdade, não é porque ele tem deficiência que é bonzinho ou coitadinho. Se ele errou, que pague por isso.

Sem essa história  de super-herói e exemplo de superação. Esse discurso já deveria de estar mais do que superado.

Andar na rua e transpor barreiras arquitetônicas não é se superar, é superar barreiras que a sociedade colocou, assim, devemos cobrar delas atitudes para derrubá-las. A partir disso, facilita-se todo o processo de inclusão, seja ele para qual caminho for.

1 comentário sobre “Chega de super-herói

  1. Nossa, falou tudo. Perfeito. Não mais o que falar.

    O tema do meu TCC, do curso de Psicologia, será a respeito da (falta de) acessibilidade para pessoas com deficiência, já que posso fazer esse estudo estando nesse contexto!

    Parabéns, muito bom.

Deixe um comentário