Desencontros do mercado

O Guia Inclusivo já tratou algumas vezes sobre as pessoas com deficiência no mercado de trabalho, indicando o livro Inclusão, da Carolina Ignarra, ou sobre as dificuldades de se encontrar uma vaga.

Apesar das empresas argumentarem que não encontram pessoas com deficiência com qualificação profissional, a recíproca mostra ser verdadeira. Quem tem alguma formação, reclama estar desempregado.

Ao ver este cenário, algumas questões podem ser feitas: será que as empresas estão realmente preocupadas em promover a inclusão ou apenas cumprir uma legislação? Oferecer vagas apenas para determinadas deficiências é promover realmente a inclusão? Direcionar vagas de acordo com a limitação é correto?

É bem comum ver com bancos de emprego: “Vagas para pessoas com deficiência”, lei de cotas permite isso, mas não seria segregar, ao invés de incluir?

Em alguns sites especializados em colocação no mercado de trabalho, é possível se deparar com empresas que oferecem vagas, mas se dizem despreparadas para receber pessoas com qualquer tipo de deficiência. Por exemplo, ao responder o questionário sobre acessibilidade, afirmam não terem condições alguém com cadeira de rodas. Incoerência.

Outras empresas dizem: “Não pode ter deficiência auditiva porque ela vai trabalhar no atendimento”. Pode ser caracterizada discriminação.

Certa vez, um canal de televisão fez uma reportagem que orientava as pessoas com deficiência a fazer determinados cursos e procurar pelas vagas conforme sua limitação. Um desserviço.

Incluir é dar oportunidades iguais a todos, independentemente de sua condição. Aprender as tarefas, ter responsabilidade e disciplina são fatores que se desenvolvem no cotidiano de qualquer profissional, inclusive, aquele que tem deficiência.

6 thoughts on “Desencontros do mercado

  1. A Verdade é que as empresas não estão REALMENTE preparadas para dar acessibilidade, aliás nada está 100% accessível à Pessoa com Deficiência. Tivemos alguns avanços, mas falta muito ! No Mercado de trabalho a inclusão fica cada dia difícil pela falta de acessibilidade.E Vc têm absoluta razão, as vagas estão segregando ao invés de incluir… Parabéns

  2. Parabéns pelo artigo. Muito coerente. Hoje mesmo postei um texto sobre este assunto no Blog da i.Social. “De quem é a culpa pela falta de inclusão?” http://isocialrh.blogspot.com/2011/03/de-quem-e-culpa-pela-falta-de-inclusao.html
    Trato sobre as questões colocadas aqui e algumas outras. Creio que precisamos, cada vez mais, expor as barreiras que impedem uma inclusão mais efetiva, não com o objetivo de criticar, mas sim de debater e propor soluções.

  3. Eu tô passando justamente por isso ai. Formei, tô atrás de primeiro emprego, só pra ganhar alguma experiência, mas não se vê empresas oferecendo vagas pra quem tem formação. Só cargos de baixa remuneração, e ainda limitando a deficiências pouco “graves”.
    Um total absurdo. Não seria mais fácil abrir as portas pra qualquer vaga e escolher a pessoa com deficiência se ela se mostrasse ser competente pra exercer esse ou aquele papel dentro da empresa? Limitar a um ou dois postos só prejudica ambas as partes.

Deixe um comentário